Irmandade Inquisidora

quarta-feira, março 08, 2006

Irmão אלוהים |†| Demanda d'Sine Significatu Sacratu Prophetia

A mensagem profética dizia: "Numa manha de madrugada um imenso nevoeiro dará o sinal para o início da revelação...".

Meus antecedentes Irmãos esperaram esse momento em vão, para todos eles a morte chegou-lhes antes do dia de nevoeiro. Foi a Mim que coube esse privilégio, ver o Histórico nevoeiro que iniciou a épica demanda pela revelação da Verdade.

Acordei, era de manha e sentia o meu corpo totalmente saciado pela hibernação hexazonal de Verão. Espreguicei-me, arregalei os olhos, e iniciei o treino visual de focalização ao olhar atentamente para os Irmãos um a um: o Irmão Público dormia de pénis visivelmente erecto por baixo dos lençóis a gritar baixinho: "Eu é que sou, eu é que mando... bebé!"; depois observei a Irmã Dade, que embora já acordada não conseguia sair da posição com que abrira os olhos (fazendo espargata); depois foi a vez de focar o apático Irmão Xanax, ai desloquei um olho; seguiu-se finalmente o Irmão Gémeo, mas entre o denso nevoeiro vi mais do que queria e continuo sem compreender como algumas pessoas conseguem dormir vestidas; impossível foi focar o Irmão Iluminado que dormia num quarto aparte sozinho para não importunar o nosso sono que é sensível à luz. Algo me dizia que aquela manha era diferente de todas as outras, importunava-me aquele denso nevoeiro dentro e fora da Irmandade. Então percebi tudo, aquele dia era a génese da revelação, era o inicio da épica demanda que agora se abatia sobre a minha existência, era o primeiro dia do resto da minha vida, era o início de uma nova era...
Nunca fora treinado, mas instintivamente sabia o que tenho que fazer: revelar o passado, o presente e o futuro tal como ele foi, é e será.

Excitado pela chagada do momento que tanto eu esperava e pelo qual dava razão à minha existência, contei a boa nova a todos os Irmãos da Irmandade que depressa se deram ao trabalho de me dizerem que era o único que via o nevoeiro e que o Xanax não deveria ter dormido de rabo virado para mim. Apercebi-me logo do obvio, eu era o escolhido, era apenas a mim que cabia cumprir a demanda desta profecia. Então apesar do denso nevoeiro, via claramente o caminho que teria de percorrer, comecei por escrever a verdadeira Histórica dos livros sagrados: «Adão, Eva e Isaac», «Arca de Noé», «Que Abraão... do puto», «Que Abraão do filho Maria Isaac», «Ciúmes de Ismael» e «Olá Jacob!» são os textos que já foram libertados para a verdade, ajudando várias almas a converterem-se aos ensinamentos da Irmandade Inquisidora.

Algo corre terrivelmente mal. A informação do inicio da revelação já se propagou até aos ouvidos de seculares instituições místicas, que em nada lhes agrada que a verdade seja tornada propriedade intelectual dos povos do Mundo. Sei através das propriedades transsensoriais do album Dark Side of the Moon misturado com mescalina que, os emBatados Erradamente Nobelizados (BEN), ou também conhecidos como os Quatro Cavaleiros de Egas Moniz furiosamente me procuram nos seus cavalos Preto, Castanho, Amarelo e Branco, para me impedir na minha sagrada missão. Enumeras histórias dos BEN correm os séculos de boca em boca tornando a realidade em mito, diz-se que por onde passam os recém-nascidos implodem, os cegos passam a ver, as almas com corpos defuntos são eleitas por povos democratas, e que o Cavalo Amarelo matou 333+333 pessoas ao lançar analmente uma densa flatulência de éter no interior de uma tenda onde se celebrava um casamento heterosexual.

Sei que se for apanhado pelos BEN sou um Irmão morto, e isso agora era uma maçada enquanto tenho um pão de ló no forno, não quero queima-lo. Imaginem que era agora apunhalado com a lança de chamas, escrevia o quê? aahhhhhhhh? Não pode ser, tenho uma sagrada missão por cumprir e pretendo terminar este post com um ponto final.

3 Comments:

Enviar um comentário

<< Home


 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 2.5 Portugal License.