Irmandade Inquisidora

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Génesis |†| Olá Jacob!

- Olá Jabob! Olá Jacob! Olá Jacob! – disse Jacob.
Jacob era um papagaio que vivia numa minúscula gaiola com 1m2 na diagonal. Só raramente quando seu “pai” por esquecimento lhe deixava a portada aberta é que Jacob podia laurear a pevide para fora da gaiola. Era nestas alturas que Jacob enfrentava in loco com a sua única angústia transcendental que tinha: Será que Vidro existe? Através da janela via a luz e a passagem para algo fantástico que de certeza não tinha fuga possível à felicidade eterna, mas sempre que tentava passar para o outro lado, batia com os cornos numa coisa que as janelas têm. Apesar do que as evidências sugeriam, Jacob era de ver para querer, mantendo-se sempre agnóstico e nunca se entregando ao transparentismo, continuando sempre a por em causa a existência de Vidro.
Esta angústia transcendental era comum entre todos aqueles que conviviam com Jacob. Na sua gaiola frequentemente eram organizadas tertúlias com ilustres amigos e conhecidos, entre os quais um Elefante Polar que era seu colega de gaiola, o tema central da conversa era quase sempre o mesmo: Será que Vidro existe?
Na última tertúlia realizada foram interrompidos. Um indivíduo cinzento indignado por ter sido preludiado prematuramente neste blog, entrou na gaiola com uma cinta de explosivos à cintura, ameaçando todos os presentes que se explodiria em nome de Vidro. Os ânimos só acalmaram quando este indivíduo acabou por se entreter com uns vídeos porno da Cicciolina que o papagaio Jacob e o Elefante Polar tinham num armário, e lá a tertúlia pode continuar.
No fundo aquelas tertúlias não passavam de pavoniantes personalidades passando-se passar por cultas, masturbando o ego ao citar filósofos conhecidos entre palavras caras, argumentando sobre ideias vulgares, gastas e ocas, que apenas agradavam a eles próprios, mas que aclamavam ser em nome de Vidro; tentando assim, submeter a humanidade a um conjunto de regras claustrofóbicas e misogínias. Tudo isto, apenas porque deliravam julgando-se ser Janelas, e como tal testemunhas da existência de Vidro.
Entretanto, alguém se excitou e deu-se um milagre... PUUMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM!!!!!

6 Comments:

Enviar um comentário

<< Home


 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 2.5 Portugal License.